Pauta das 7

Justica da BA define que fabrica indenize trabalha0031675900202404020820 7

Fábrica é obrigada a indenizar e readmitir trabalhadora com hanseníase

o juiz entendeu que a ex-funcionária foi alvo de "dispensa discriminatória" pela condição de saúde Foto: reprodução

Uma fábrica de calçados foi condenada ao pagamento de uma indenização de R$ 20 mil e obrigada a readmitir uma trabalhadora que tem hanseníase, doença que afeta os nervos e a pele. Na decisão, o juiz entendeu que a ex-funcionária, que era operadora de calçados, foi alvo de “dispensa discriminatória” pela condição de saúde. O caso aconteceu na cidade de Itapetinga, no sudoeste da Bahia.

Segundo a Justiça do Trabalho, a mulher alegou que a demissão foi um ato discriminatório e que o desemprego e a exclusão do mercado de trabalho a impedem, até mesmo, de manter o tratamento.

A empresa Vulcabra/ Azaleia negou que houve discriminação na demissão da ex-funcionária e afirmou que a fábrica não tinha conhecimento sobre a condição de saúde da trabalhadora. Além disso, a empresa pontuou que vários funcionários foram demitidos na época.

Para o juiz responsável pela decisão, Antônio Souza Lemos Júnior, a dispensa foi injustificada e discriminatória. O magistrado entendeu ainda que a fábrica tinha conhecimento da doença, já que anteriormente, a funcionária já havia apresentado atestados médicos indicando a doença.

O juiz pontuou ainda que diante das dificuldades enfrentadas pela empresa na pandemia de Covid-19, o fato de a funcionária com hanseníase ter sido alvo de dispensa é significativo.

“A dispensa imotivada ocorreu após vários afastamentos previdenciários, mesmo estando ciente a reclamada da gravidade e do caráter estigmatizante da enfermidade suportada”, ressaltou.

Da decisão cabe recurso, de acordo com o Tribunal Regional do Trabalho.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *