Pauta das 7

sione matos dos santos 2119308 article

Mulher morre após receber soco na cabeça; família responsabiliza UPA

Foto: reprodução

A família de uma mulher acusa a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Dr. Orlando Imbassahy, localizada no Bairro da Paz, em Salvador, de negligência, alegando que a vítima morreu após ser liberada sem receber atendimento médico necessário.

Sione Matos dos Santos, de 44 anos, se envolveu em uma briga de bar, no último domingo (26) e foi agredida com um soco na cabeça pelo dono do estabelecimento. O motivo da agressão teria sido uma discussão por conta de futebol.

Com a soco, Sione caiu desmaiada e teve sangramentos no ouvido. Ela foi levada à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Dr. Orlando Imbassahy e lá recebeu os primeiros atendimentos.

Ocorre que, segundo a família, houve negligência médica no centro de saúde, porque Sione teria sido liberada após receber medicamentos para dor.

Na segunda-feira (27), a mulher foi encontrada morta por um dos filhos, na casa da família, sem sinais de violência.

A versão da negligência, no entanto, é refutada pela Secretaria Municipal de Saúde (SMS). Em entrevista à TV Bahia, o médico Ivan Paiva, coordenador da UPA, disse que Sione chegou a ser regulada para o Hospital do Subúrbio, mas decidiu deixar o pronto-socorro por conta própria.

“A paciente tem registro de entrada na unidade por volta das 23h30. Foi feita avaliação médica inicial, tinha lesão no couro cabeludo, com episódio de perda de consciência, então a equipe médica identificou a necessidade de avaliação complementar, de uma tomografia computadorizada”, pontuou o médico.

Segundo ele, cerca de 15 minutos depois, o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi acionado para fazer a transferência de Sione ao Hospital do Subúrbio. No entanto, os agentes de saúde que chegaram com a ambulância não encontraram a paciente na UPA.

“A gente perdeu a referência de para onde ela tenha ido. (…) A gente, inclusive, tem registro das próprias câmeras e ela sai da unidade andando”.

De acordo com a família de Sione, a mulher buscou atendimento médico na UPA uma segunda vez e teria sido novamente liberada. Paiva negou essa segunda entrada, ressaltando que há apenas um registro no prontuário.

Nesta quarta (29), mesmo dia que Sione foi enterrada, a família da vítima protestou em frente a UPA. A ocorrência foi registrada na 12ª Delegacia Territorial (DT/Itapuã). As causas da morte de Sione são investigada pela Polícia Civil.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *